quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

“Oficina de Criação Cinematográfica: a cinegrafia como rito” - Mateus Moura e Rosilene Cordeiro



Evento idealizado a partir de atividades de fomento de extensão inclusivas, promovido pelo Nupa (Núcleo de Produção Audiovisual), projeto de extensão coordenado pela professora Ana Lobato, promoveu a “Oficina de Criação Cinematográfica: a cinegrafia como rito”, ministrada por mateus Moura e rosilene Cordeiro.

A mesma ocorreu procurando partir da construção coletiva de uma performance de intervenção pública e de exercícios lúdicos de manipulação das linguagens e liturgias que envolvem o cinema, a música e o corpo, a serem experienciadas em um quintal localizado na periferia da cidade e numa praia no distrito de icoaraci, em Belém Pará, mesmo território onde o trabalho formativo se dá.

Durante cinco dias os participantes vivenciaram técnicas de planejamento de filmagem, cinegrafia e edição, além de encontros com o corpo, os espíritos e fundamentos ancestrais segundo praticas culturais cotidianas de vida entre quintal e a rua, num processo de retroalimentação estética em fluxo de passagens ininterruptas, corpo em aprendizagens/passagens/descobertas/trocas afetivas e conceituais.

Plantas, objetos, clima, temperatura, alimentos, manipulação de ervas, chás, uso de redes, esteiras, banhos...tudo operando para oportunizar um contexto intimista em cujo espaçotempo a intimidade fosse valorizada e assumida de forma individual, coletiva e criativa...o individual e o coletivo de sentimentos, sensações, pensamentos, linguagens produzindo e sendo conduzido por fontes de criação fílmica integrada à vida e suas matrizes inspiradoras em contato direto com a natureza e a vida diária sempre pulsante, em seu entorno.. 
A oficina se deu de forma gratuita, sendo realizada no quintal da performer Rosilene Cordeiro, no distrito de Icoaraci, onde no mesmo espaço a mesma vive seu projeto criativo mais recente #minhacasaresidencia, onde experimentea estados/fluxos/energias/trocas entre SER/ESTAR/FAZER/MOSTRAR-SE FAZENDO/PENSAR SOBRE processos performativos seu locus de pesquisa artistica e acadêmica, desde o ano de 2016. 

Os trabalhos ocorreram  entre os dias 05, 06 (vivências do quintal) 07 (culminando ações entre cinema+performance+intervenção urbana), 11 e 12 (processos de edição e montagem do material coletado e avaliação coletiva dos eventos), sempre no horário de 15h às 19h. 

Todas e todos foram bem-vindos, pois não existiam pré-requisitos, sendo o currículo de cada um/a  o seu desejo de participar, de 'estar-com', 'ser-com'.
Mateus Moura e Rosilene Cordeiro, companheiros de longa data, tem diversos trabalhos que envolvem cinema e performance, tendo na relação com o os ritos, os mitos, a religião e o cotidiano seus motes temáticos, assim como suas fontes de inspiração e mergulho. Esta foi a primeira vez, oficialmente, que realizaram uma oficina juntos.

O resultado do mutirão ocorreu como um ato público de oferenda à Yemanjá na Praia do Cruzeiro na noite de 7 de dezembro e a eternização em vídeo deste momento.

Participantes da oficina: Andréa Rocha, Beatriz Morbach, Bianca Levy, Hugo Caetano, Maryori Cabrita,  Rafael Lima, Seu Mário. 



Ministrantes

Mateus Moura Bolsista pela CAPES do Programa de Pós-Graduação em Artes - PPGARTES (UFPA) desde 2016, realiza no momento uma cartografia crítica sobre os filmes sob o signo Amazônia. Realizou mais de 50 oficinas e cursos em diversas instituições, é o atual diretor da produtora independente de filmes Maria Preta e mantém o canal de vídeos MATOU O CINEMA E FOI A FAMILIA.

Rosilene Cordeiro
Perform@triz, artevista e educadora 'povolar', pesquisadora independente de corpo
​ e performance em ampla moviment@ção socioespaçotemporal.
Mestranda no Programa de Pós-graduação em Comunicação, Linguagens e Cultura - PPGCLC (UNAMA-PA).
Integra o Grupo de Pesquisa Capital Social e  Cultural no Contexto Midiático Contemporâneo e Grupo de Pesquisa Arte Contemporânea na Amazônia: fluxos, redes e cartografias, ambos da Universidade da Amazônia; e Grupo de Pesquisa PERAU: Memória, História e Artes Cênicas na Amazônia, da UFPA. Professora de Teatro.

SERVIÇO

de 05, 06, 07, 11 e 12 de dezembro
das 15h as 19h
no quintal da Rosilene Cordeiro (
Travessa dos Berredos nº 503, entre São José de Ribamar e Ivan Leão - próximo ao Majela - Icoaraci)

INVESTIMENTO: GRATUITO

Participaram da oficina: 

"Seu Mário", Hugo Caetano, Bianca levy, Beatriz Bezerra, Alex Martins, Marjorie Cabrita. Andréa Rocha, Angelina Conceição.